Pages

sábado, 25 de maio de 2013

Poesia de Malandro

malandro_01_1284564216

Eu que não peço nada em troca

Me submeto a esse amar desencontrado

Típico e sorrateiro amor de esquina

Me visto de malandro e sigo

Apertando na mão dentro do bolso uma sobra de desapego

Vou incorporando a boemia e a carência para cortejar corações, vazios

Na lábia digo que presto favores e afetos

Sempre tem alguém desavisado querendo festejar

Basta debruçar sobre os lábios um fingir de beijos

Gasto toda madrugada por uma ilusão besta

Continuo precisando de o amor desencontrar

Pra perceber que não há pureza nisso

Nem tão pouco defeito

Isso nem é amar

O malandro não ama

Ele tira proveito

Eu observo, aproveito e escrevo.

 

1 ALGO A DIZER?:

Angelo Augusto Paula disse...

Todos somos meio malandro, não? Eu também, sempre que posso, tiro proveito e escrevo. Noutras vezes, apenas beijo.

Hahahaha

Lindo poema! Nunca um malandro foi descrito de maneira tão fina.

Observando o Tempo

Você vai gostar de ler :

Related Posts with Thumbnails
Ocorreu um erro neste gadget